O ERP não morreu. Evoluiu.

A pergunta impunha-se: o ERP morreu? Não. O que morreu foi o mercado tradicional destas aplicações. E que acabou por abrir as portas a um mercado ainda maior que o inicial, baseado em serviços de valor acrescentado sobre a implementação standard do ERP. Cloud, sistemas cognitivos de BI, ferramentas analíticas, Inteligência Artificial, Big Data e mobilidade são conceitos que têm, obrigatoriamente, de passar a estar integrados no “espírito” do ERP. Ou seja, não morreu, mas evoluiu. E muito.

Para a Noesis, o facto mais relevante no mundo dos ERP foi a transição que ocorreu das soluções on-premise para a cloud, a qual só foi possível com o amadurecimento da tecnologia de virtualização. Rafaela Nunes, senior manager Enterprise Resource Planning da Noesis, diz que o ERP enfrenta atualmente novos desafios trazidos pelo desenvolvimento tecnológico e também pelas inevitáveis imposições do mercado nos diferentes setores em que atua.

Capa ERP Business IT

Leia a reportagem da Business IT.