Luzes e Tecnologia
Noesis nos Media
05 novembro 2020

As organizações têm de se mover pelos dados, in IT.Insight


Em artigo da IT.Insight, Luís Gonçalves, Data Analytics & AI Director da Noesis, aborda o panorama atual do uso de dados nas organizações portuguesas nos diferentes setores

Noesis nos Media
05 novembro 2020

Inscreva-se no Lisbon Data & AI Forum e entre numa nova geração de analytics!

Por Luís Gonçalves, Data Analytics & AI Director da Noesis

Muitas organizações, especialmente as maiores, estão a investir recursos para que possam recolher, armazenar e analisar os seus dados. Apesar de os executivos investirem em data analytics, nem todas as organizações veem o retorno do seu investimento. De qualquer maneira, as organizações que se movem por dados têm uma maior probabilidade de conquistar os clientes

“Os dados são o novo petróleo". A frase já foi ouvida – e talvez até dita – pelos leitores. Ao longo dos anos, os principais executivos das principais empresas com soluções da data analytics têm vindo a pregar a frase em todas as conferências e palestras onde participam.

Independentemente de ser ou não uma frase feita, a verdade é que os dados podem trazer muito valor para as organizações. Cabe às empresas extrair e tirar o valor desses dados que vão levar a sua organização ao próximo passo.

Perceber o que é um negócio movido pelos dados é essencial para qualquer organização que deseje manter-se relevante na próxima década. Os últimos anos assistiram ao crescimento de novas ferramentas e técnicas, assim como novas fontes de dados, que estão a alterar o horizonte do planeamento e inovação das empresas.


Data analytics

A implementação de soluções de analítica começam, habitualmente, por uma visão de Business Intelligence (BI) que “permite de uma forma clara obter e agregar dados de forma visual, gerando informação útil a essas mesmas empresas”, afirma Luís Gonçalves, Data Analytics & AI Director na Noesis. A utilização de dados para o negócio não está limitada às grandes organizações; na verdade, qualquer empresa, independentemente da sua dimensão ou setor de atividade, pode extrair mais-valias dos dados.

As soluções preditivas e de IA “dependem de dados e de arquiteturas mais complexas, necessitam de grandes volumes de dados e baixa periocidade dos mesmos”, refere Luís Gonçalves, que acrescenta que “as empresas apostam cada vez mais neste tipo de abordagem pelo ganho que é possível obter com o acesso a informação e geração de conhecimento”.


Dados no centro

Para que as estratégias baseadas em dados tenham sucesso, a própria liderança deve colocar os dados front-and-center nas suas tomadas de decisão de negócio. No entanto, todas as lideranças têm os seus próprios desafios.

Luís Gonçalves acredita que “estas novas tecnologias permitem ter acesso a diferentes indicadores de forma agregada e intuitiva o que possibilita aos decisores analisar de forma precisa a informação e tomar decisões sobre as mesmas de forma efetiva”.

Gestão dos dados 

A própria gestão dos dados tem os seus desafios. As organizações portuguesas que já utilizam os dados nas suas tomadas de decisão não têm o mesmo tipo de sofisticação na abordagem à gestão dos dados.

De qualquer modo, o interesse e o empenho na utilização de sistemas de gestão de informação “é transversal na maioria das grandes empresas em Portugal, em todos os setores de atividade”, diz Luís Gonçalves. O representante da Noesis acrescenta que “os imperativos de mercado, de concorrência e de competitividade fazem com que as empresas apostem cada vez mais na otimização e evolução deste tipo de soluções, não só na ótica de BI como também em novas soluções com componentes de IA que permitem passar para um nível preditivo e de automatismo que melhoram e aceleram as tomadas de decisão dessas mesmas empresas”.

Data governance

Todos nós, enquanto pessoas ou enquanto organização, produzimos diariamente um número imenso de dados. O valor desses dados só existe se uma empresa os conseguir tratar de forma correta e transformar em informações relevantes para a sua operação.

Luís Gonçalves refere que, habitualmente, “os sistemas de informação das empresas vão evoluindo ao longo do tempo e não são implementados de raiz”. Esta ação ao longo do tempo pode, em alguns casos, impossibilitar “pensar de forma agregada, como um todo, gerando ineficiências nos silos de dados que vão sendo criados”.
Apesar de existirem soluções que permitem centralizar e organizar a informação de forma eficaz, há alguma resistência à mudança dentro das próprias organizações, afirma Data Analytics & AI Director na Noesis.

 

*Artigo publicado em IT.Insight

Eduardo Vilaça